LIÇÃO 07



Paulo, Um modelo de líder servidor

E nós, cooperando também com ele, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão”. (2 Co 6.1).

Gill Rocha*

Quando nos deparamos com texto sagrado supracitado, somos levados a, em primeira análise considerar que Paulo está julgando, ao menos em certo aspecto, que os irmãos de Corinto estão invalidando a graça de Deus. Na verdade, Paulo está exortando aos irmãos para que estes provem a esplendor da graça de Deus em suas vidas, com atitudes servidoras, pois, uma liderança eclesiástica em quem o povo pode confiar é dotada de atitudes servidoras. Diante disto, somos levados a interpelar-nos sobre as qualidades de uma liderança servidora.

I – Liderança servidora nunca deixa de aprender.

O Apóstolo Paulo, muito embora não tenha andado com Jesus

quando das andanças do mestre nesta terra, fora profundamente impactado pelas experiências espirituais vivenciadas em sua conversão. Suas vivências espirituais foram tão profundas que ele, Paulo, chegou a pedir aos crentes de Corinto que o imitassem no seu procedimento, porque ele estava imitando a Cristo (1Co 11.1).

Um líder servidor é percebido pela sua disposição em aprender. É fato a postura de alguns líderes que se julgam superiores aos outros e até exige muitas regalias. Pregadores que deveriam revelar a simplicidade de Cristo demonstram na verdade, arrogância e imaturidade. Não aprenderam nada com Jesus, revelam apenas os princípios deste mundo tomado pela volúpia e pelo espírito capitalista anticristão.

II – Liderança servidora é abnegada.


Paulo revela no texto de 2 Coríntios 6. 1-10 a excelência da graça, ela faz com que a liderança seja abnegada. A abnegação, segundo o dicionário Aurélio é o desprendimento, devotamento. No sentido ético da palavra é o Sacrifício voluntário do que há de egoístico nos desejos e tendências naturais do homem, em proveito de uma pessoa, causa ou idéia. Paulo se desprendia de seus desejos, seus preceitos próprios, seu conhecimento para que o povo de Deus tivesse o melhor. O apóstolo dos gentios chegou até dizer que estava disposto a se gastar se deixar gastar para em favor da vida da Igreja em Corinto.

A revelação do cuidado de Paulo: “não dando nós escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado. Antes, como ministros de Deus, tornando-nos recomendáveis em tudo; na muita paciência, nas aflições, nas necessidades, nas angústias, nos açoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns, na pureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no Espírito Santo, no amor não fingido” (v. 3-6).

Observe as circunstâncias vividas, bem como as descreve este líder servidor: fala da paciência nas aflições, nas necessidades e angústias – Isto revela o interior do líder servidor, fala de sua paciência diante das circunstâncias infligidas pelo próprio ministério. Enganam-se aqueles que pensam ser o ministério um terreno de opulência, louvor e prestígio humano. Paulo nos mostra seu ministério sendo bombardeado por ventos contrários, que ele mesmo descreve como, aflições, necessidades e angústias. Ele por sua vez dava em resposta a todos estes percalços: Trabalho, Vigílias e Jejuns a fim de vencer suas lutas espirituais.

III – Liderança servidora compreende o terreno de sua luta.



A expressão metafórica usada por Paulo: “Armas”, trazem o entendimento de que o obreiro vive em uma batalha contínua e este deve ser paciente nas aflições e tribulações, porém, deve ser aguerrido e audaz na guerra espiritual. O líder servidor entende que muito embora as intempéries atinjam seu corpo físico e muitas vezes a alma, sua origem nunca é o mundo físico e sim espiritual. O líder em muitos momentos sente-se constrangido a seguir o curso deste mundo e deixar de lado a equidade requerida para um despenseiro.

Paulo lutava com todas as armas espirituais a fim de não ceder às pressões de um mundo sem Cristo. Ele tinha a certeza de que estava com as armas certas para a batalha. “….nossas armas são poderosas em Deus para destruição de fortalezas”.

Muito embora pobres materialmente; todavia, enriquecendo a muitos, como nada tendo; possuindo tudo, desconhecido dos homens; conhecidos de Deus, enganadores para os homens; verdadeiros diante de Deus, vivendo tristeza na alma; alegres, porém, no espírito. Se quisermos servir ao Senhor com inteireza de coração, precisamos seguir os passos de Jesus que foi, é e sempre será o modelo perfeito de líder servidor.

* Diretor do Departamento de Educação Cristã; Evangelista Autorizado da IEAD

Este artigo é de responsabilidade do Departamento de Educação Cristã (DEC) da Igreja Evangélica Assembléia de Deus.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s